Toda vez que decidimos visitar um novo destino, realizamos uma pesquisa prévia. Mas claro, nem mesmo a pesquisa mais minuciosa consegue revelar em detalhes o que vamos encontrar lá. O fato é que por mais que a gente compartilhe as experiências, o que você vai viver no país/cidade escolhida será algo bemmm pessoal. Mas claro, é essencial que você saia de casa tendo uma ideia do que vai encontrar.

Há poucos dias voltamos de uma viagem super intensa e que ainda vamos compartilhar em mais detalhes aqui no blog. Grande parte dos lugares que conhecemos estão localizados no Chile – um país lindíssimo e que apresenta opções para todos os gostos (e bolsos hehehe). Por isso, no post de hoje separamos algumas informações essenciais que você deve ter antes de desembarcar por lá 🙂

 

1- Os chilenos são simpáticos

Por favor, tente ser cordial com eles também 🙂 Mesmo que o seu espanhol não seja dos melhores, tente conhecer os cumprimentos básicos da língua e busque ser amigável. Já fomos para outros países da América do Sul e não percebemos uma receptividade tão grande quanto no Chile. Óbvio que, assim como em qualquer lugar do mundo, você encontrará pessoas mais ou menos simpáticas. Mas a maioria delas, com certeza, será. 😀

2- Os vinhos são maravilhosos… e suuuper baratos!

Esse tema renderia um post inteiro, mas serei breve em ratificar que os vinhos de lá são ótimos e apresentam um preço muito baixo, se compararmos com os aplicados no Brasil. Portanto, se você gosta de vinho, já destine dinheiro para adquirir algumas garrafas. Vale muuuito a pena! É muito provável que você encontre em mercados, adegas e vinícolas chilenas, rótulos excelentes (que no Brasil custam perto de R$100) por cerca de R$30 .

Parreira de Carménère na vinícola Concha y Toro

 

Anúncio



3- Utilizar o chip local não é tão fácil quanto em outros países

Um lei (polêmica, por sinal), sancionada em setembro de 2017, passou a determinar que celulares comprados fora do Chile precisariam ser habilitados por uma certificadora chilena para funcionarem com o chip do país. Apesar da homologação ser gratuita, era BEM burocrática, exigindo uma série de documentos do dono do celular e demorando dias para ser validada. Inclusive, foi o que tivemos que fazer.

Mas, devido a uma série de reclamações – principalmente de turistas – o governo resolveu cancelar este trâmite até o fim de março e prometeu um processo bem mais simplificado para validação de celulares estrangeiros em território chileno. É aguardar pra ver…

4- A altitude pode influenciar no seu dia a dia

Dependendo da região do país que você estiver, você sentirá (mais ou menos) os efeitos da altitude. Na capital Santiago, por exemplo, são aproximadamente 2 mil metros acima do nível do mar. Já no Deserto do Atacama, a altitude ultrapassa os 3,5 mil metros. Algumas pessoas conseguem perceber esses efeitos de maneira mais intensa ou branda. Nós, por exemplo, sentimos mais no Atacama. Era mais uma sensação de cansaço, um pouco de dor de cabeça, lábios e olhos secos… Mas nada que muitaaa água, um colírio e um hidratante labial não minimizassem 🙂 A altitude não compromete o seu passeio, mas é importante você conhecer esses efeitos e saber que eles podem influenciar (de alguma forma) sua viagem. Portanto, esteja preparado.

 

5- O câmbio nem sempre é vantajoso

Viajar para fora do país no último ano tem mostrado uma realidade não muito agradável para os brasileiros: uma grande desvalorização da nossa moeda lá fora. Ou seja, não adianta ir para o exterior achando que estamos numa situação confortável e que os preços lá fora compensam. De fato, eles podem ser atraentes e acessíveis… Mas para quem vem de um país com uma moeda que esteja valorizada (o que não é o caso do Brasil) 🙁 Alguns produtinhos valem a pena, sim. Já outros, nem tanto. Nós conseguimos perceber isso em coisas simples, como almoços e jantares. Então já saia daqui tendo consciência, para a frustração não ser muito grande quando chegar lá 😒…

Outra dificuldade é converter o peso chileno para real quando você está comprando. Uma dica é fazer uma conversão básica, onde R$5 equivale a 1 mil pesos chilenos. Apesar de ser apenas uma aproximação, ajuda muito na hora de comparar os preços. Se você estiver chegando no país por Santiago, por exemplo, caminhe pela Rua Augustinas – lateral do principal calçadão da cidade, o Ahumada. Lá é possível encontrar várias casas de câmbio. Com certeza uma delas terá uma cotação vantajosa pra você!

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o país, não deixe de conferir os próximos posts! Neles abordaremos um pouco sobre passeios, características das cidades que visitamos e o que fizemos para economizar por lá! 😉

 

Vai para Santiago? Conheça as paradas obrigatórias na cidade!



Booking.com

5 coisas que você deve saber antes de viajar para o Chile
Classificado como:                                            

Deixe uma resposta